Brasil

Palocci diz que Lula beneficiou montadoras em troca de dinheiro para filho

06 de dezembro de 2018

 Em depoimento à Justiça Federal nesta quinta-feira (6), o ex-ministro da Fazenda do governo de Luiz Inácio Lula da Silva, Antonio Palocci, afirmou que o ex-presidente renovou uma medida provisória em troca de dinheiro para o filho Luís Claudio Lula da Silva.

A compra de medidas provisórias é investigada na Operação Zelotes, deflagrada em 2015, que também apura irregularidades em decisões do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), órgão vinculado ao Ministério da Fazenda que julga processos das empresas envolvendo questões tributárias.

Palocci disse que recebeu o filho do ex-presidente em seu escritório de consultoria entre o final de 2013 e o início de 2014. Segundo o ex-ministro, ele pediu apoio para fechar o orçamento de um evento que organizaria em 2014. O valor pedido seria em torno de R$ 2 e R$ 3 milhões. “Tenho testemunhas, registro de telefonema dele, agendas”, afirmou o ex-ministro.

Palocci disse que sempre falava com Lula quando alguém o procurava com pedidos. E que, neste caso, Lula disse que já estava resolvido porque já tinha falado com Mauro Marcondes.

Leia esse trecho de seu depoimento:

“As empresas iriam pagar o Mauro Marcondes. Mesmo porque ele já prestava serviços para elas e prestou nessa ocasião também, por parte da aprovação da MP. Iam pagar, não sei se exclusivamente essa quantia, não sei se era exclusivamente essa quantia, que ia pagar quantia que ia em torno da necessidade, entre 2 e 3 milhões, que era o que faltava para fechar o seu empreendimento em 2014. E que o Mauro Marcondes iria repassar esse recurso para o Luís Cláudio.

O Mauro Marcondes já atuava dessa maneira. Fazendo lobby com a empresa, cobrando por isso e eventualmente pagando eventuais propinas.”

Operação Zelotes

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), Lula editou a medida provisória para favorecer empresas do setor automotivo em troca de recebimento de propina.

Ele é réu por corrupção passiva nesta ação penal desde setembro de 2017. Também são réus o ex-ministro e chefe do gabinete de Lula, Gilberto Carvalho, e outras cinco pessoas.

A defesa do ex-presidente afirmou que o petista jamais praticou qualquer ato ilícito e que é alvo de perseguição política.

Em novembro do ano passado, o Ministério Público Federal de Brasília pediu para a Justiça o bloqueio de R$ 24 milhões em bens e valores do ex-presidente e de seu filho, Luís Cláudio.

Com G1