Manchester United enfrenta o Paris Saint-Germain no duelo de ida das oitavas de final da Uefa Champions League, nesta terça-feira, às 18h (de Brasília). E para se classificar, a equipe inglesa conta com a grande fase do meia Paul Pogba, que fez oito gols e deu cinco assistências desde que o comando dos Red Devils foi trocado e Ole-Gunnar Solskjaer assumiu a vaga de José Mourinho, seu desafeto.

Muito antes de se desentender com o Special One, o meia viveu um entrevero com outro grande treinador no United: Sir Alex Ferguson.

Tudo ocorreu quando Pogba ainda estava em sua primeira passagem em Old Trafford, entre 2009 e 2012, e que havia apostado em seu futebol depois de descobri-lo no pequenino Le Havre, da França.

O armador subiu para o time principal em 2011, mas nunca caiu nas graças de Ferguson, fazendo apenas sete jogos, e todos começando no banco de reservas e entrando no decorrer da partida. Foram três duelos de Premier League, um de Copa da Liga e um de Liga Europa.

Sem chances na Inglaterra, Pogba acertou um pré-contrato com a Juventus, para onde foi em julho de 2012, depois que seu vínculo com o United expirou – os ingleses receberam apenas 800 mil libras (R$ 3,9 milhões, na cotação atual) como compensação.

Só que Ferguson não gostou nada da história, e acusou o francês de desrespeitar os Red Devils neste processo. De acordo com o Sir, o time de Manchester ainda estava esperando o atleta amadurecer, e estava pronto para lhe oferecer um novo contrato.

“Pogba assinou com a Juventus há muito tempo, pelo que sabemos. Estou desapontado. Não acho que ele demonstrou respeito nenhum por nós, para falar a verdade”, disparou o escocês, no dia em que anunciou que Paul estava de saída.

“Na verdade, fico até feliz que, se os jogadores querem fazer as coisas dessa maneira, que façam longe da gente”, ironizou Ferguson.

O comportamento do francês foi um dos fatores que mais pesou para os problemas com o treinador.

“Era para ele ter se firmado já naquela época, não precisava nem ter ido para a Juventus, mas só que deu um rolo lá. Ele chegava atrasado e a galera do profissional ficavam esperando… Aí é complicado, deixar eles esperando um cara nascido em 1993 chegando uma hora atrasado? Aí o Ferguson deu uma nas pernas dele”, contou Agnaldo Moraes Júnior, brasileiro que jogou na base do United com o francês.

Apesar disso, Pogba era muito querido pelos colegas.

“Treinávamos juntos no time reserva do United. Ele é gente boa demais, zoeiro. Quer ser brasileiro, é uma figuraça! Antigamente ele ficava na resenha. Tem uma humildade sem tamanho”, contou Agnaldo.

Problemas com agente

Em sua polêmica autobiografia, lançada em 2013, Ferguson não citou o nome de Paul Pogba uma vez sequer. E olha que a publicação tem mais de 350 páginas…

Tempos depois, quando publicou seu livro, Leading (“Liderando”), escrito em parceria com o jornalista Michael Moritz, o ex-manager revelou, porém, que, além de não ter gostado do comportamento de Pogba na negociação, também criou inimizade com o agente de jogador, Mino Raiola, um dos empresários mais influentes do mundo.

“Há um ou dois agentes de quem simplesmente não gosto, e Mino Raiola, que cuida de Pogba, é um deles. Eu desconfiei dele desde a primeira vez que eu o encontrei. Ele se tornou agente de Ibrahimovic quando Zlatan jogava pelo Ajax, e depois virou representante de Pogba, que tinha apenas 18 anos à época”, escreveu o escocês.

“Nós tínhamos um contrato de três anos com Paul, e havia uma cláusula de renovação por mais um ano, que estávamos loucos para que ele assinasse. Só que aí apareceu Raiola, e nossa primeira conversa foi um fiasco. Eu e ele somos como óleo e água. Daí pra frente, nada mais iria dar certo, porque Raiola já tinha feito a cabeça de Pogba e de sua família, e ele acabou acertando com a Juventus”, recordou.

Na Juve, Pogba explodiu e virou um astro mundial, conquistando títulos, prêmios e protagonismo, assim como na seleção francesa.

Antes da Euro de 2016, porém, Paul resolveu acabar com seu longo silêncio sobre o tema. Em entrevista exclusiva à ESPN, ele contou que Ferguson foi à sua casa em Manchester, pouco antes do meia assinar com a “Velha Senhora”, para tentar fazê-lo desistir da ideia e seguir em Old Trafford.

“Ele é um técnico que respeito muito, mas ele é humano. Eu sou alguém que fala o que pensa, seja na frente do Ferguson ou do (ex-presidente dos Estados Unidos Barack) Obama. Eu falo mesmo. Ferguson foi à minha casa, nós conversamos e ele me fez pensar. Ele queria que eu ficasse, mas já havia tomado a decisão de sair”, afirmou.

Choro

Quem deu mais detalhes sobre o entrevero foi a mãe de Paul, Yeo Moriba Pogba, que tem uma influência gigantesca sobre sua carreira. Em entrevista à AFP, Yeo contou que Paul tinha enorme ressentimento pela maneira com que era tratado por Ferguson nos tempos de Old Trafford. Segundo ela, o filho chegou até a chorar em um dia em que levou uma forte bronca de Sir Alex.

“Quando Paul me disse que Ferguson vinha à minha casa, eu não acreditei. Ele veio sozinho. Já havíamos conversado todos, eu, Paul e seus irmãos [os também jogadores Florentin e Mathias Pogba], e decidimos que Paul não iria assinar com o United. Ferguson o punia. Ele não o colocava para jogar. Paul estava sozinho. Ele chegou até a chorar um dia no escritório de Ferguson pela maneira com que foi tratado”, relatou.

Os anos passaram, o manager já se aposentou, e Pogba foi contratado novamente em 2016 pelo Manchester United por 110 milhões de euros (R$ 464 milhões), tornando-se o jogador mais caro da história à época.

Depois de duas temporadas recheadas de altos e baixos em Old Trafford, Pogba entrou em rota de colisão com José Mourinho, que o criticou publicamente. Após a saída do português e a chegada de Solskjaer ao comando o técnico, o francês finalmente vem mostrando tudo aquilo que se espera dele.