Mundo

G7 fecha acordo para redução de tarifas no comércio mundial

09 de junho de 2018

Os países do G7 chegaram a um acordo neste sábado (9) sobre o comunicado final da cúpula, que fala sobre esforços em reduzir barreiras tarifárias e não tarifárias no comércio mundial, além de diminuir subsídios.

O consenso foi anunciado pelo primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, que presidiu dois dias de discussões tensas entre Estados Unidos, por um lado, e Alemanha, Reino Unido, França, Itália, Japão e Canadá, pelo outro.

“Destacamos o papel crucial de um sistema comercial internacional fundado sobre regras e seguimos combatendo o protecionismo”, diz o comunicado divulgado após a cúpula em La Malbaie, no Canadá.
“Nos comprometemos a modernizar a OMC com o objetivo de torná-la mais justa o quanto antes. Faremos tudo que esteja ao nosso alcance para reduzir as barreiras tarifárias, as barreiras não tarifárias e as subvenções”, afirma a carta.

No entanto, o “consenso” durou pouco. Já longe da cúpula, Donald Trump pediu aos representantes dos EUA para que não assinem a carta, depois que Trudeau prometeu responder com tarifas equivalentes a sobretaxa sobre o aço e alumínio aplicada pelos EUA recentemente.

“É com pesar, mas com absoluta clareza e firmeza, que avançaremos com medidas retaliatórias em 1º de julho, aplicando tarifas equivalentes àquelas que os americanos aplicaram injustamente a nós”, afirmou Trudeau. “Os canadenses são educados e razoáveis, mas não seremos intimidados.”

“Baseado nas falsas declarações de Justin em sua conferência de imprensa e em que o Canadá cobra tarifas enormes a nossos fazendeiros, trabalhadores e companhias, ordenei a nossos representantes não apoiarem o comunicado”, tuitou Trump do avião que o leva a Singapura.

Trump também reiterou a ameaça de impor tarifas “aos carros que inundam o mercado americano”, uma decisão que aponta inicialmente para a Alemanha, outro membro proeminente do G7.

 

Com G1