Policial

Estelionatário causa prejuízo de R$ 1 mi com venda falsa de veículos

12 de outubro de 2018

Um nova modalidade de golpe com venda de veículos na internet na fez mais de 60 vítimas em João Pessoa. De acordo com a Delegacia de Defraudações e Falsificações, neste ano foi causado um prejuízo superior a R$ 1 milhão.

De acordo com as investigações, o golpista busca anúncios nos sites especializados em vendas e demonstra interesse em adquirir o carro ou a moto. Em seguida, ele convence o vendedor a retirar o anúncio da internet, como uma forma de evitar que outra pessoa também entrasse em contato.

O suspeito, então, faz uma nova postagem, com as imagens e informação do veículo, vendido em um valor inferior de mercado, na tentativa de encontrar novo cliente, que passa a ser um “comparsa” involuntário do golpe.

Com o novo cliente, o golpista entra em contato com o primeiro vendedor e afirma que uma outra pessoa vai procurar ele para conhecer o carro, mas faz um pedido a ambos: não compartilhar informações sobre valores e pagamento, apenas em relação ao veículo.

Passada essa etapa, o golpista faz um depósito sem valor e envia o comprovante para o primeiro vendedor, que pelo grau de confiança, entrega o veículo.

O outro cliente, que negociou diretamente com o suspeito, transfere o dinheiro para o golpista e recebe o carro. Porém, ao tentar fazer a transferência dos documentos, percebe a fraude da transição.

Alerta da Polícia

Para que golpes sejam evitados, a Polícia Civil faz alguns alertas:

Anunciantes: evitar a inserção de dados pessoais e de detalhes dos produtos (PLACAS DE VEÍCULOS, ENDEREÇO DE IMÓVEIS) nos anúncios feitos pela internet (limitar-se a informar o telefone de contato pessoal para eventuais interessados. Demais dados pessoais e dados dos produtos anunciados só deverão ser repassadas na conclusão do negócio);

Formalizar todas as negociações, com a confecção do contrato (contrato deverá ter todos os dados pessoais do VENDEDOR e do COMPRADOR, com cópia da documentação pessoal);

VENDEDOR: não entregar o produto negociado antes de confirmar a realização do depósito / transferência de todo o valor negociado;

COMPRADOR: não realizar depósito / transferência em conta bancária diversa do responsável pela negociação (depositar valores apenas nas contas bancárias da pessoa que assinar o contrato de compra e venda);

Não repassar dados pessoais no início da negociação. Apenas após a confirmação da existência do produto, da procedência da negociação, é que deverão ser repassados os dados pessoais, para a realização do contrato;

Desconfiar de valores diferentes do valor de mercado e de vantagens aparentes (herança /investimento / fechamento de empresa etc.). Alguns GOLPISTAS costumam justificar os valores inferiores com a informação de que os bens negociados seria provenientes de situações emergenciais, como o fechamento de empresas, heranças, de forma a cobrar urgência na conclusão da negociação.

MaisPB