Política

Diferente de Ricardo, governador de Pernambuco declara apoio incondicional a Lula nas eleições deste ano

12 de julho de 2018

Enquanto o governador Ricardo Coutinho (PSB) fica num jogo dúbio, com elogios ao presidenciável Ciro Gomes (PDT) e acenos ao ex-presidente Lula, o seu colega de partido e governante do vizinho estado de Pernambuco, Paulo Câmara, declarou nesta quinta-feira (12) que apoiará a candidatura do petista, condenado e preso pela Operação Lava Jato, mesmo que o PT tenha candidatura própria ao governo do Estado nas eleições 2018. O apoio ao petista foi declarado após um café da manhã de Câmara com a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, no Palácio do Campo das Princesas.

O pessebista disse que entende as dificuldades do seu partido, que já tem candidaturas majoritárias em vários Estados, mas que é preciso defender a aliança com o ex-presidente Lula “por tudo que ele fez por Pernambuco”. No Estado, o PT se divide entre lançar candidatura própria, da vereadora Marília Arraes, ou compor a chapa do Câmara, pré-candidato à reeleição.

“O PSB é um partido democrático, e vamos respeitar tudo isso. Mas, no âmbito da nossa direção estadual, vamos levar ao congresso (do partido, marcado para 5 de agosto) esse posicionamento em favor da aliança formal com o PT”, afirmou.

Câmara afirmou acreditar que não está isolado dentro de seu partido nessa costura com o PT, embora boa parte do PSB declare nos bastidores apoio ao pré-candidato à presidência pelo PDT, Ciro Gomes, com quem o governador pessebista esteve na quarta-feira, em Brasília. Segundo Câmara, a ala pernambucana do PSB “é a maior” da legenda e conta com “o apoio dos outros Estados do Nordeste e alguns do Norte e do Centro-Oeste”.

O pessebista, no entanto, pondera que o PSB está “olhando várias hipóteses”, incluindo a de seguir no caminho da neutralidade. “Dependendo das discussões, se a neutralidade for majoritária a gente tem que entender isso”, declarou.

A senadora Gleisi Roffmann, que na quarta-feira se reuniu com a cúpula do PT em Pernambuco, elogiou o posicionamento “firme” de Câmara na defesa do presidente Lula, mas afastou a possibilidade de alianças somente em âmbito estadual. “Acho que nós temos que fazer um esforço para formatar o campo (de centro-esquerda) muito firme para resgatar o Brasil. Temos a convicção no PT de que Lula é o condutor desse projeto que pode tirar o País da crise, por isso nossa insistência que o PSB possa estar com a gente (numa aliança nacional)”, disse a petista.

Demonstrando inflexibilidade na construção de coligações estaduais, a senadora rechaçou a possibilidade de retirar a pré-candidatura de Luiz Marinho (PT) ao governo de São Paulo para apoiar Márcio França (PSB), como noticiou a Coluna do Estadão nesta quinta-feira. De acordo com Gleisi, essa possibilidade “nunca foi uma pauta colocada” e, em São Paulo, a prioridade do PT é outra.

“Nós não chegamos a conversar isso até pelo posicionamento do governador Márcio França, que nós respeitamos. Lá, o nosso adversário é o PSDB, é (João)Doria. Essa gente que está dando sustentação à política do (presidente)Michel Temer, como aqui em Pernambuco com Mendonça Filho (DEM) e Bruno Araújo (PSDB), pessoal que ajudou a desmontar as políticas importantes para a vida do povo”, disse.